Fidelidade e Compromisso

Ultimamente tenho reparado mais em uma característica humana que é especialmente evidente em nossa cultura e sociedade. Falo da tendência que temos de nos entusiasmar e participar de eventos especiais e de negligenciar as atividades corriqueiras. Amamos ir aos shows e festas, mas temos preguiça e até pavor em fazer as atividades repetitivas, mas necessárias, como ir às aulas do nosso curso ou arrumar a casa. Continuar a fazer aquilo que é necessário, mas que não nos traz o mesmo nível de trazer, exige disciplina, compromisso e caráter. Muitos optam por se envolver quase que exclusivamente com aquilo que está em evidência ou o que dá prazer, negligenciando tudo aquilo que exige disciplina e compromisso.

Na vida espiritual não é diferente. Na igreja evangélica estamos assistindo ao fenômeno dos grandes eventos e shows para manter a presença do público, sempre com muita energia e emoções fortes. É mais fácil conseguir a cooperação dos membros em atividades que envolvam estar em evidência ou para atividades especiais. Leitura diária e estudo da Bíblia, vida de oração, assiduidade aos cultos regulares, fidelidade nas contribuições financeiras e compromisso com um serviço regular na igreja são coisas raras nos nossos dias.

Apesar de não ser popular, a fidelidade é uma das grandes virtudes do cristão. Em 1 Coríntios lemos: “Assim, os homens devem nos considerar servos de Cristo encarregados dos mistérios de Deus. Além disso, o que se requer de pessoas assim encarregadas é que sejam encontradas fiéis” (4:1-2). Todo cristão tem uma missão a cumprir e uma responsabilidade no seu relacionamento com Deus. O que se requer de cada um de nós é que sejamos fiéis e constantes no nosso relacionamento com Deus e no cumprimento de nossa missão neste mundo como membro do corpo de Cristo e agente do Reino de Deus.

Jesus contou uma parábola em Mateus capítulo 25 em que um senhor encarrega seus servos com recursos para que as gerenciassem durante uma longa viagem que iria fazer. Na sua volta ele pediu contas do que fizeram com estes recursos. Dois se saíram bem, pois tinham sido fiéis, cumpriram sua missão, multiplicaram os recursos e foram recompensados. O terceiro foi preguiçoso, sem compromisso e punido pelo seu senhor no momento de prestar contas. A frase repetida pelo senhor para os dois primeiros servos foi: “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel sobre pouco; sobre muito te colocarei; participa da alegria do teu senhor!”. Ao final de outra parábola registrada em Lucas 19, Jesus ensina que: “Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito; quem é injusto no pouco, também é injusto no muito”.

Como será que está a nossa fidelidade nas pequenas coisas, naquelas em que ninguém ou poucos vêm e naquelas que exigem disciplina e compromisso. Temos cultivado um relacionamento pessoal com Deus? Temos sido honestos nas pequenas coisas? Temos contribuído mensalmente com a nossa igreja local e com missões? Temos sido assíduos aos cultos de adoração, estudos bíblicos e reuniões de oração? Temos colocado os dons e habilidades que o Senhor nos deu a serviço do Reino? Senhor, molde nosso caráter, cultive em nós a disciplina pessoal e ajude-nos a manter os nossos compromissos!

Pr. Kenneth Eagleton